Significado de um Japamala Partido


Um japamala pode partir quando é usado frequentemente, não só como um colar, mas também como uma ferramenta de meditação.

Todos os anos chegam-me alguns japamalas para reparar, uns pela utilização frequente, outros por falta de manutenção ou distracções quando chega a hora de o guardar. Tal como alguns clientes, também aprendi a lição e comecei a guardar os meus japamalas longe dos meus gatos que adoram franjas. Recebi também japamalas que perderam o brilho porque causa de humidades, outros foram a banhos e ficaram oxidados. Há ainda aqueles cujo tassel se soltou por estar sujeito àquele hábito de passar o dia a "enrolar" com os dedos as franjas do japamala.

Seja que situação for, é natural a pessoa ser invadida por um sentimento de tristeza quando vê o seu japamala partido. É então muito devastador quando o japamala está "carregado" com mantras, orações e práticas espirituais de meses ou anos. Ver aquela peça tão especial partida pode provocar sentimentos profundos de perda e despedaçar o coração e a alma, mas um japamala partido não é um acontecimento negativo.


Significado de um Japamala partido

Na tradição do budismo, do hinduísmo e até na prática do ioga, um japamala partido simboliza a quebra de um ciclo. Um ciclo de sofrimento, de descoberta espiritual e de libertação de karma. É um sinal positivo na continuação da longa caminhada espiritual e uma oportunidade auspiciosa para reflectir sobre as bençãos e lições recebidas. Lembra-nos ainda da impermanência da vida e consequente renovação e da importância do desapego.

Quando o japamala perde contas, cada uma das intenções, mantras e orações colocadas nele são libertadas para o Universo.

Contas de cristal ou madeira partidas podem, por um lado, simbolizar o fim de um ciclo, o terminar de uma fase que já não nos é adequada mostrando-nos que a sua energia já não é mais necessária. Por outro lado, as intenções colocadas nas contas podem não ser verdadeiras ou não estarem alinhadas com o seu Bem Supremo.


Tempo de reflectir

Depois de um japamala partir, ganha uma excelente oportunidade para reflectir sobre os eventos kármicos que antecederam e sucederam a ruptura do japamala. Crescer espiritualmente pode ser muito perceptível e dramático, mas frequentemente é tão subtil que precisamos de fazer uma pausa e reflectir sobre os acontecimentos. Tente recordar-se de como se sentia, mental, emocional e fisicamente quando comprou o seu japamala e como se sentia no momento em que se partiu. Faça também as seguintes reflexões:

- As intenções que colocou foram sentidas verdadeiramente?

- Tem um novo objectivo, plano ou propósito? Está a caminhar noutra direcção?

- Sente ansiedade, medo ou incertezas em relação ao seu futuro?

- Sente que algo se desmoronou na sua vida? Algum bloqueio que o está a impedir de seguir em frente?

- Eliminou alguma barreira ou bloqueio na sua vida?

- Existem apegos na sua vida que precisam de ser abandonados?

- Sente que as suas intenções foram cumpridas?

- Sente-se realizado e completo com a prática de um mantra?


Devo reparar o meu Japamala?

Depois do tempo que tirou para reflectir, deve sim reparar o seu japamala se sentir que ainda não está pronto para seguir em frente no seu caminho. Pode ser que se sinta tão profundamente vinculado a ele que deve trabalhar no desapego depois de estar reparado. Em qualquer um dos casos, deve sempre limpá-lo energeticamente e colocar-lhe novas intenções verdadeiramente sentidas para retomar a sua prática alinhada com essas intenções. 

Por outro lado, se sente que o japamala cumpriu as intenções que lhe colocou, que marcou claramente uma aprendizagem e um progresso e que fechou um ciclo na sua vida, deve optar por substituir o japamala por um novo e colocar-lhe novas intenções para um novo começo. Quanto ao japamala partido, pode enterrá-lo num vaso ou no jardim num ritual de desapego e de abandono das intenções ou pode oferecê-lo ao seu altar como uma lembrança do trabalho investido nele.

Os japamalas que não podem ser reparados porque sofreram danos irreversíveis são chamados no budismo tibetano de "resíduos do Dharma" e devem ser descartados com profundo cuidado e respeito. Os resíduos sagrados contêm ainda bençãos e energias positivas e por isso devem ser levados para um local sagrado, um mosteiro ou altar e oferecidos ou enterrados.

Outras tradições espirituais acreditam que um japamala partido jamais deve ser reparado para nova utilização porque o seu karma foi esgotado. No hinduísmo, é tradição depositar os japamalas partidos nos altares dos templos como oferendas em sinal de devoção e gratidão.


Alguns cuidados a ter

Um japamala pode durar anos e anos. Pode durar uma vida inteira apesar do uso frequente.

Mas, para prolongar a vida de um japamala, há que ter alguns cuidados na sua manutenção, seja a sua utilização como um acessório ou como ferramenta espiritual:

- Não puxe, enrole ou estique. Lembre-se que é uma peça que o acompanha no seu caminho e merece respeito.

- Não empreste nem deixe que seja tocado por outras pessoas. É uma peça muito pessoal.

- As contas de cristal podem ser muito robustas ou mais frágeis consoante o cristal. Alguns têm pequenos veios ou fragmentos naturais que se formam durante o crescimento do cristal e que os tornam mais propensos a fissuras se manuseados ou atingidos com força. Ao pousar o japamala faça-o com delicadeza, não coloque objectos por cima e tenha especial atenção para não o deixar cair.

- Tenha especial cuidado junto a fontes de fogo e calor como fogões, velas, lareiras, etc, para evitar que o lume atinja o cordão ou o tassel.

- Retire sempre o japamala antes de tomar banho e se possível antes de lavar as mãos (ou pelo menos afaste-o mais no pulso).

- Não faça exercício físico com o japamala.

- Não exponha o japamala a produtos químicos e agressivos. Retire antes dessas tarefas.

- Não coloque perfume ou outros produtos cosméticos sobre o japamala.

- Guarde sempre num local protegido, limpo e arrumado. Uma caixa, cesto ou tigela (preferencialmente de materiais naturais) servem para o efeito ou se preferir no seu altar ou sobre uma estatueta sagrada.

- Mantenha o japamala num local protegido de animais para não o roerem ou arranharem.

- E muito importante, mantenha o japamala fora do alcance das crianças. Não somente pelo risco de dano, mas sobretudo por uma questão de segurança devido ao risco de estrangulamento.

- Peças metálicas do japamala em contacto com água ou humidade podem oxidar. Neste caso, pode polir com pasta dentífrica (esfregue, deixe secar e depois limpe com um pano seco e macio).

- Se não gostar do tom natural do envelhecimento da madeira, hidrate as contas deste material com um óleo vegetal (por exemplo óleo de côco).

- Os tassel de algodão são mais duráveis e robustos, mas tendem em emaranhar-se com mais facilidade. Neste caso, penteie com os dedos ou com um pente fino.

- Os tassel de seda são mais confortáveis e macios. O fio é aveludado e agradável ao toque o que faz aumentar o hábito de o enrolar com os dedos, mas também aumenta a probabilidade de enfraquecer os fios fazendo-os soltar.

- Evite deixar o japamala pendurado por muito tempo. Como é uma peça mais pesada, sobretudo se tiver contas de cristal ou muitas peças metálicas, fará com que o cordão fique mais fragilizado nessa zona.


Conclusão

Em jeito de resumo, um japamala partido simboliza um progresso na jornada pessoal e caminho espiritual. É a manifestação de uma intenção conquistada ou abandonada por não servir mais o Bem Supremo. O seu propósito foi cumprido e deu lugar ao início de um novo ciclo.

Um japamala partido não é sinal de desgraça ou de má sorte nem sequer motivo para se sentir despedaçado perante aquilo que acha que é uma perda. É na verdade um sinal positivo de que as suas intenções foram realizadas e de que é o momento certo para colocar novas e preparar-se para receber novas energias na sua vida.

Pode despedir-se do seu japamala num ritual de desapego enquanto o enterra num vaso ou no jardim ou o oferece a um altar sagrado ou, se entender que ainda não se sente preparado para fechar o ciclo ou sente que ainda há algo a ser feito, pode contactar-nos para reparar o seu japamala e assim poder continuar o seu trabalho espiritual.



Fonte(s): Japamala Beads, Mala and Me, Coco & Lime

Artigos relacionados


Como Escolher um Japamala?

Como Escolher um Japamala?

Escolher o japamala perfeito parece complexo e difícil com tantas cores, estruturas, modelos e materiais, mas na verdade é muito fácil. Há quem saiba exactamente o que procura, mas também quem tenha dificuldades e procure ajuda. (...) Ler mais

Significado das Cores nos Japamalas

Significado das Cores nos Japamalas

Quando escolhe um japamala para as suas meditações e orações ou simplesmente para lhe transmitir bem-estar ou ajudar num processo de cura, irá considerar naturalmente os materiais como as madeiras ou cristais, mas também pode (...) Ler mais

Ágata, a Estabilizadora

Ágata, a Estabilizadora

A Ágata é, em geral, conhecida por ser uma pedra de baixa intensidade com uma vibração energética mais lenta que outras pedras. Esta característica não faz da Ágata uma pedra "inferior", pelo contrário é considerada uma excelente (...) Ler mais

Produtos relacionados