Os 12 Símbolos que Deve MESMO Conhecer


Existem inúmeros símbolos espirituais e estão por toda a parte. Desde padrões, bijuteria até mesmo aos caça-sonhos que colocamos na cama... Todos simbolizam algo.

Apesar de muitas vezes nos esquecermos dos seus significados, utilizarmos sem pensar ou não lhes atribuirmos a importância que têm, eles podem causar forte impacto nas nossas mentes.

A maioria dos símbolos são parte da história e alguns são incrivelmente antigos. Culturas e povos antigos já os utilizavam para diversos fins, desde religiosos até para a comunicação de ideias e se reflectirmos um pouco, muitos símbolos dispensam palavras porque falam por si mesmos.

É interessante observar as sensações que cada símbolo transmite. Enquanto que uns irradiam energias positivas instantaneamente, outros emanam negatividade.

Um símbolo não é só algo que remete para a religião, para o divino ou para a comunicação. É também algo muito pessoal. Sentimo-nos atraídos por determinados símbolos e rejeitamos outros que até são muito apreciados de uma forma global, mas que para nós não tem o mesmo impacto. O significado pessoal é muito profundo e cabe a cada um encontrá-lo no seu Eu interior.


Os símbolos são importantes na nossa jornada espiritual que tem tudo a ver com a nossa própria visão. A espiritualidade está dentro de nós! Ao concentrarem a nossa espiritualidade, irão transmitir-nos a Verdade que nos motiva a continuar o caminho espiritual apoiando-nos a cada passo e sabendo utilizar os símbolos como ferramentas na nossa jornada, toda a nossa experiência pode intensificar-se e atingirmos os objectivos espirituais mais cedo.


Alguns dos símbolos mais populares:



1. Hamsá com Olho Turco

A Protecção Contra o Mal

Hamsá significa "cinco" em hebraico e é representada por uma mão com um olho no centro.

Tem sido usada como amuleto de protecção contra a energia negativa e o mau-olhado (um olhar malicioso que pode causar doenças, azares ou até mesmo a morte).

Acredita-se que pessoas com vibrações negativas não são capazes de prejudicar se estiverem perante uma hamsá. Diz-se ainda que uma hamsá que parte ou racha cumpriu o seu trabalho de protecção e deve ser substituída.

Foi usada por várias religiões como o budismo, o hinduísmo, cristianismo e o islamismo.



2. Flor da Vida

O Padrão da Criação

O símbolo mais importante da geometria sagrada. Acredita-se que existe desde a primeira civilização do mundo e é possivelmente o mais antigo desta lista.

É o símbolo da energia e da criação da vida e defende a ideia de que tudo está interrelacionado e faz parte de um plano divino e geométrico.

Constituída por 19 círculos no total, nem mais nem menos, sobrepostos e interligados que iniciam num círculo central. Este círculo central representa a fonte. Ao seu redor encontram-se outros 6 círculos que representam o processo de divisão celular. Assim, a Flor da Vida representa o ciclo da criação e mostra que todas as formas de vida e consciência surgem de uma fonte.

Apesar do seu nome remeter para uma flor, na verdade, representa o ciclo de uma árvore de fruto que cresce em botões florais e que, eventualmente, se transformam em frutos. O fruto dá a semente originando novas árvores. Um ciclo que transforma a flor da árvore em fruto e novamente em árvore e que revela o milagre da vida.



3. Yin Yang

O Equilíbrio entre Opostos

Símbolo taoísta que representa o princípio da dualidade.

As duas metades do círculo representam as energias masculina e feminina existentes no mundo mostrando que tudo no Universo tem uma energia igual e oposta.

Actua como um lembrete da lei do equilíbrio representando a harmonia na dualidade. Não importa o claro e o escuro, a sabedoria e a ignorância, a matéria e a energia, a terra e o céu, tudo precisa de equilíbrio.



4. Roda do Dharma

O Caminho da Iluminação

Representa os oito caminhos da iluminação que podem levar ao Nirvana.

É um dos símbolos mais antigos da tradição budista e também conhecido como a Roda da Lei ou a Roda da Transformação.

Cada raio simboliza um dos ensinamentos do Buda: modo de vida correcto, linguagem correcta, intenção correcta, acção correcta, esforço correcto, atenção plena correcta, consciência correcta e visão correcta.

O movimento da roda é uma metáfora para a rápida mudança espiritual idealizada por Buda. Também se acredita que represente o ciclo infinito de Samsara (ciclo de nascimento, morte e renascimento) e que só pode ser evitado através dos ensinamentos de Buda.



5. Om

O Som Divino

Um dos mais populares e também um dos mais sagrados símbolos da humanidade.

Também conhecido como a "Mãe de todos os sons" ou "Mãe de todos os mantras", representa o som primordial da criação, que ao ser entoado ajuda na conexão com a energia divina.

O poder deste símbolo é tão intenso que pode abrir o chakra do terceiro olho.

Usado no budismo e no jainismo e é a principal força do hinduísmo onde simboliza o passado, o presente e o futuro.

Diz-se que a meditação profunda traz naturalmente esse som para o primeiro plano, envolvendo o praticante num brilho universal.



6. Flor de Lótus

A Flor da Iluminação

Um dos símbolos mais populares e sagrados no budismo.

Representa a iluminação. O lótus cresce na lama em águas turvas e floresce, relacionando a transformação e a ressurreição.

É um símbolo de esperança e fortalecimento, pois lembra que não importa a dificuldade e a escuridão, qualquer obstáculo pode ser superado com perseverança.

Incentiva o perdão e a gratidão, mas também o desapego (enquanto floresce, a água escorre pelas pétalas do lótus).



7. Árvore da Vida

O Símbolo da Unidade

Representa a criação, a unidade e a interconexão de tudo no Universo.

Homenageia a diversidade e celebra a origem comum. Observando cada elemento e processo da árvore, pode-se extrair o significado espiritual de cada um deles relacionado com a vida dos seres humanos cuja verdadeira origem é comum a todos (raízes), possuem um espírito conectado com o corpo físico (tronco), seguem diferentes direcções (ramos) e têm as suas próprias singularidades (folhas).

Um símbolo de unidade e conexão com uma mensagem bem clara, de que todos estamos interligados através de uma energia cósmica e que devemos viver em harmonia com todos os seres vivos.



8. Paz

O Símbolo da Paz e da Harmonia

O símbolo universal usado para manifestar paz entre todos os seres humanos.

Surgiu como um logotipo de uma campanha britânica contra o desarmamento nuclear e na mesma altura, o movimento hippie, utilizou o mesmo símbolo para representar a sua filosofia baseada no equilíbrio, na paz interior e no amor universal.


9. Ganesha

O Removedor de Obstáculos

Um dos deuses mais reverenciados no hinduísmo.

Representa a sabedoria. É a consciência suprema que permeia tudo e traz ordem ao universo.

Simboliza a consciência que é omnipresente, a energia da qual tudo se manifesta e em que tudo se dissolve.

É o deus removedor de obstáculos, porque tal como os elefantes, não caminham em torno dos obstáculos nem são impedidos por eles, removem-nos e caminham em frente.



10. Triskelion

O Movimento do Tempo

Também conhecido como Tríade ou Espiral Tripla e é um dos símbolos celtas mais antigos.

É representado por três espirais conectadas por uma linha que representa o fluxo do tempo. Cada espiral simboliza a vida terrena, a vida após a morte e a reencarnação.

Simboliza também os três mundos: espiritual, físico e celestial. A esta trindade, estão também associadas as seguintes simbologias: passado-presente-futuro, criação-protecção-destruição, infância-maturidade-velhice, cada uma delas ligada a um aspecto do crescimento pessoal, desenvolvimento humano e progresso espiritual. Também ligado aos estados da matéria: sólido-gasoso-líquido e aos três reinos: animal, vegetal e mineral, o triskelion carrega a poderosa simbologia do número 3 que é transversal a inúmeras religiões, raças e culturas. É, sobretudo, o símbolo da trindade, da união, da culminação, do cumprimento e do equilíbrio de forças.



11. Caça-Sonhos

O Vigilante dos Sonhos

Um dos símbolos mais populares da humanidade e um dos que passa mais despercebido como símbolo.

É representado por um aro com rede trabalhada ao centro e embelezada com penas, fitas ou outros materiais pendurados na zona inferior.

Foi criado por índios americanos que acreditavam que os pesadelos ficavam presos dentro da rede e os bons sonhos passavam pelos buracos deslizando pelas penas e alcançando assim a pessoa a dormir. Pela manhã, exposto à luz do dia, o caça-sonhos dissolvia os pesadelos e a pessoa acordava revigorada, descansada e em paz.

Originalmente foi criado como um amuleto para proteger os bebés e crianças pequenas de energias negativas que surgiam sob a forma de pesadelo. O caça-sonhos era colocado sobre o a cama para garantir segurança durante a noite. Nas décadas de 60 e 70, o movimento da Nova Era adoptou esta tradição mostrando-a ao mundo.

Acredita-se que é também um símbolo de boa sorte e que ajuda a evitar as vibrações negativas.



12. Nó Infinito

Sem Princípio, Sem Fim

Impossível identificar o início e o fim deste nó. Foi criado para representar o mundo inteiro interligado irradiando calma e movimento.

Actua também como um lembrete de como o tempo é uma ilusão e que o Dharma é eterno.

Simboliza também a infinita paixão de Buda e a interconexão da vida terrena e do pensamento divino.

Diz-se que a oferta de um nó infinito significa o estabelecimento de uma conexão auspiciosa entre quem dá e quem recebe, sendo este estimulado pelo karma justo lembrando que os efeitos positivos futuros têm as suas raízes nas causas do presente.

É o caminho espiritual entrelaçado e em constante mudança, a conexão do mundo espiritual, do tempo e da omnipresença de Buda. Concentra a ideia da dualidade, do equilíbrio das qualidades feminina e masculina. Não tem um início nem um fim, tal como a sabedoria e compaixão infinita de Buda.

No Tibete representa também o Samsara, o ciclo infinito de nascimento, morte e renascimento.



Fonte(s): The Mind Fool, Buddhist Symbols, Ancient Symbols

Artigos relacionados


Mantra de Kuan Yin - Om Mani Padme Hum {AUDIO}

Mantra de Kuan Yin - Om Mani Padme Hum {AUDIO}

O mantra Om Mani Padme Hum significa em sânscrito "Salve a Jóia no Lótus" e está associado ao Bodhisattva Avalokiteshvara, a amada Kuan Yin, deusa da Grande Compaixão. Em tibetano, Kuan Yin é Chenrezig e o seu mantra escreve-se Om Mani (...) Ler mais

  • 0
Sugilite - a Pedra da Chama Violeta

Sugilite - a Pedra da Chama Violeta

A Sugilite é uma das principais pedras desta era devido às suas inúmeras propriedades benéficas. Entre elas está a protecção contra influências negativas no ambiente da pessoa, a melhoria da habilidade para aterrar as energias (...) Ler mais

  • 1
As Dimensões Espirituais Explicadas

As Dimensões Espirituais Explicadas

A Terra está a movimentar-se da 3ª para a 4ª dimensão e, possivelmente, para a 5ª, mas o que isto significa? As duas dimensões mais comuns da realidade com as quais as pessoas na Terra estão familiarizadas são o seu estado de (...) Ler mais

  • 0

Produtos relacionados